Patacala

Minha foto
O estudo como um todo me transformou num ser mais cult..., o quartel deu-me algum caráter, algo de austeridade, e bastante disciplina...A vida me transforma, ainda hoje, num ser mais responsável e feliz... Tenho que pôr para fora a historiografia do espaço que me cerca...por mim, por todos que me cercam, pelos alunos e pelos meus amados descendentes... Quem sou eu, afinal? Sou auditor, mestre, pesquisador, flamenguista e carioca....um tanto quanto crazy....mas impondo pitadas de juízo e seriedade, e retirando um outro tanto de rock´n roll, atesta-se experimentalmente, probabilisticamente e aprioristicamente que eu sou normal...
Reencontrar e lidar com um mundo de transliteração cerebral....passar e absorver opiniões...dialogar e transformar o abastrato em concreto...idéias...conhecimento...admiração...deve bastar até o fim dos meus dias...

Viajar é preciso....













--------------------------------------------------------------















segunda-feira, 31 de maio de 2010

A Gramática da Força!




Você não sabe que eu sei falar sua língua...

Você pensa que eu não conjugo as suas armadilhas
Que a sua voz correta e as suas palavras exatas são a minha
cachaça amiga
Que a conversa em código franco adoça meu chá de esquecimento
Você pensa mesmo que me deu um nó de palavras meu branco

Pão pão queijo queijo olho no olho dente por dente
Mas quando eu digo pão o meu irmão ouve gargantas cortadas
Mas quando eu digo queijo estou dizendo vaca louca
E você não percebe a nossa gargalhada por dentro do seu templo
E você não percebe que nosso peito de mãe preta está envenenado
Você engole a isca e se julga mesmo bem alimentado
Você não percebe que a preservação da nossa espécie não é
erro de português


Nada um dia de amanhã será como o novo dia atrás do outro
Mas quando o meu irmão diz amanhã eu ouço era uma vez...
Mas quando o meu irmão diz outro está dizendo está em nós
o nosso reino
Mas enquanto você ecoa o vácuo já estamos aquilombados
E você nem percebe nossa competência lhe jogando pra trás
E você nem percebe que nossa sujeição é contratempo
Você veste o hábito e se julga mesmo o monge no espelho
Você não vê a tropa do pecado abrindo trilhas para outros desejos
A sisudez da gramática irada conjugando nossa tábula profunda

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não pare para pensar, o tempo é precioso! Comente!